Loading...

A nossa missão

Ajude-nos a Ajudar

Temos como missão ter um país mais bem preparado para responder a emergências

A Nossa Missão

Temos como missão ter um país mais bem preparado para responder a emergências médicas e situações de paragem cardiorrespiratória.

Defendemos que 1/3 da população saiba fazer Suporte Básico de vida e que a taxa de Sobrevivência às paragens cardiorrespiratórias passe de 3% para 30% até 2030.

Para tal, identificámos:

  •  Ensino de SBV+DAE obrigatório por lei nas escolas

  • Formação de SBV+DAE obrigatório para determinadas
     profissões

  • Mais sensibilização e mais Desfibrilhadores

Descarregar Manifesto

Ensino do SBV obrigatório por lei nas escolas

Ensino de SBV+DAE para todos os alunos do 10º, 11º e 12º, uma vez por ano, 3 horas seguidas;

50% do tempo de prática, com 1 manequim e 1 simulador de DAE para cada aluno;

Lecionado por professores com formação certificada em SBV+DAE (curso ministrado por entidade formativa acreditada pelo INEM, com 1 dia de duração e 5 anos de validade);

Ensinado preferencialmente na disciplina de educação física;

Precedido de noções básicas de socorrismo na disciplina de oferta complementar no 7º. 8º e 9º;

Formação de SBV+DAE obrigatória para determinadas profissões

Frequência obrigatória de formação certificada em SBV+DAE (curso ministrado por entidade formativa acreditada pelo INEM, com 1 dia de duração e 5 anos de validade) para:,

Médicos, enfermeiros, cardiopneumologistas, fisioterapeutas, dentistas, farmacêuticos, outros profissionais de saúde, bombeiros, treinadores e personal trainers, vigilantes, novos polícias, novos militares, novos
professores…

Mais sensibilização e mais desfibrilhadores

Promover campanhas de sensibilização sobre a prevenção e combate à morte subida cardíaca;

Alargar a lista de locais onde é obrigatório ter programas de DAE:

Ambulâncias de socorro, estabelecimentos de ensino, ginásios e recintos desportivos, farmácias, instalações empresariais e industriais, edifícios públicos, hotéis, praias….

Incentivar a utilização de DAE em caso de PCR (paragem cardiorrespiratória)

Nas situações de PCR encorajar o INEM (CODU) a ativar a rede nacional de programas de DAE (para se iniciar o socorro e desfibrilhação ainda antes da chegada do 112)

Definir como norma um mínimo de 6 operacionais DAE por cada desfibrilhador e tomar medidas para assegurar o funcionamento dos programas de DAE ao longo do tempo.